Polina sobre a Superliga: “Não esperava estar entre as melhores, queria ajudar minha equipe”

Polina Rahimova vai jogar mais um ano no Brasil (Foto: Priscila Nóbrega)

 

Por Saque Viagem
9 de agosto de 2020

 

Em breve, ela estará de volta. Depois de uma estreia memorável na Superliga 2019/2020, quando encerrou o returno como a maior pontuadora da competição (428 pontos), a oposta uzbeque naturalizada azeri Polina Rahimova vai jogar mais uma vez pelo Sesi Vôlei Bauru. “Eu gosto muito daí. A Superliga é um dos campeonatos mais fortes do mundo. Pesa ainda o fato de eu gostar do país e das pessoas”, disse a atacante ao Saque Viagem, esbanjando sua habitual simpatia. Atualmente, Polina está na Turquia, onde mora. Ela lamentou a interrupção do torneio por causa da pandemia de coronavírus, mas ressaltou que a saúde de todos vem em primeiro lugar.

Na sexta-feira (7), a diretoria do Sesi Vôlei Bauru confirmou a esperada renovação do contrato com a azeri – foi a décima atleta anunciada para a próxima temporada. “Eu fui a maior pontuadora e a melhor sacadora na Superliga passada. Não esperava estar entre as melhores, queria apenas ajudar minha equipe. Foi muito bom ser um dos destaques numa liga onde jogava pela primeira vez. Eu tive outras propostas, mas meu coração queria continuar em Bauru”, comentou a oposta de 30 anos e 1,98m.

 


Polina: “A Superliga é um dos campeonatos mais fortes do mundo” (Foto: João Pires/Fotojump)

 

Polina gostou bastante da vida em Bauru – a aproximadamente 300 quilômetros da capital paulista. “A cidade é como se fosse uma mini São Paulo, mas muito mais calma, menos violenta, com menos trânsito. No meu tempo livre, geralmente fico em casa porque preciso me recuperar. Não é fácil, às vezes temos dois jogos na semana contra adversários fortes. Portanto, temos que estar na melhor forma antes de cada jogo. Quando temos mais tempo livre, gosto de visitar locais turísticos, como Brotas (SP). Estive em Holambra (SP) e achei muito bonito. Gostaria de visitar lugares como Prudentópolis (PR), que tem a marca da colonização ucraniana, além de ir às Cataratas do Iguaçu (PR), locais que não tive ainda chance de conhecer.”

Em janeiro deste ano, depois de disputar o Pré-Olímpico Europeu pelo Azerbaijão, Polina Rahimova deu adeus à seleção, pela qual jogava desde 2007. “Por enquanto, mantenho essa decisão, mas vamos ver o que o futuro nos traz. Ainda tenho o sonho de disputar uma Olimpíada”, afirmou.

 

Oposta não descarta um retorno: “Tenho o sonho de disputar uma Olimpíada” (Foto: Divulgação/FIVB)

 

A atleta azeri não tem data definida para chegar ao Brasil e se apresentar ao Sesi Vôlei Bauru. Por causa da pandemia, o início dos campeonatos permanece indefinido. Estima-se que o Paulista 2020 seja iniciado, sem público, no final de setembro, mas a Federação Paulista de Vôlei não bateu o martelo.

Também não há data para o começo da Superliga 2020/2021, que tem seus 12 times confirmados nos dois naipes. No caso do torneio feminino, além do Sesi Bauru, participarão: Brasília Vôlei (DF), Curitiba Vôlei (PR), Fluminense (RJ), Itambé/Minas (MG), Osasco/Audax/São Cristóvão Saúde (SP), Pinheiros (SP), Dentil/Praia Clube (MG), São José dos Pinhais (PR), Sesc RJ Flamengo (RJ), São Paulo/Barueri (SP) e São Caetano (SP).

 

Post a Comment

You don't have permission to register